O SENAC e o Ensino Profissionalizante Multimídia

Rosa Amando Strausz
Chefe do Centro de Informática Educacional Aplicada do SENAC

O SENAC é uma instituição de formação profissional para adultos e adolescentes de baixa renda e de baixo nível de escolaridade. São pessoas que já estão, ou irão atuar na área de comércio e serviços. E todas elas, em um prazo relativamente curto, cada vez mais vão encontrando computadores em seus ambientes de trabalho.

É exatamente para facilitar o contato do seu público de estudantes com a informática que o SENAC vem adaptando seu projeto pedagógico a essa nova realidade. Entendendo que a questão não é apenas treinar profissionais no uso de uma ferramenta, mas também criando software que funcionem como suporte para nossos materiais didáticos.

O Paginador, por exemplo, é um software básico com o qual o aluno do SENAC faz seu primeiro contato com o microcomputador. Para navegar no Paginador, o aluno não precisa conhecer sequer o Windows. É um tipo de curso em disquete, fácil do aluno abrir, navegar e adquirir a informação que ele quer, no nível que ele quer.

Há também o Design, software que ensina noções de programação visual. E o Avaliação, desenvolvido para os instrutores do SENAC, que muitos vezes são profissionais sem nenhuma bagagem pedagógica. O Avaliação auxilia o processo de ensino e aprendizagem, fornecendo o mínimo de informação para que os instrutores possam trabalhar em sala de aula.

O SENAC está começando ainda um projeto na área de administração, com softwares simuladores de ambientes de trabalho. Mas o seu software mais complexo e mais desenvolvido até aqui é com certeza o Hiper.

O Hiper é uma ferramenta inteiramente construída pensando no processo de ensino e aprendizagem através da hipermídia, com telas de texto, telas de som, telas de vídeo e telas de imagem. Como todo software da sua categoria, o Hiper tem um nível leitor e um nível autor. Mas na sua criação, o SENAC preocupou-se com 2 aspectos importantes. O primeiro deles é que o nível autor fosse de fácil acesso, para que qualquer pessoa que esteja medianamente familiarizada com o vocabulário do Windows possa utilizá-lo. O segundo aspecto importante é ser um software multimídia aberto, para que possa ser adaptado às mais diversas realidades regionais do nosso país. Tanto ao leitor quanto ao autor, isso possibilita criar novas trilhas dentro de um determinado assunto, acrescentar dados ao próprio material de pesquisa inserido previamente no software e, é claro, modificar nomes e termos técnicos de acordo com o linguajar de cada região. Em cada um dos 25 pólos de atuação do SENAC espalhados por todo o Brasil, o Hiper vem sendo usado com muito sucesso na estruturação não linear dos conteúdos das matérias.

Para desenvolver os seus próprios softwares, o SENAC conta com uma equipe multidisciplinar. Além de especialistas em informática, há professores da área de Informática Educacional com formação em História, Letras, Comunicação e Administração, entre outros, que basicamente pesquisam novas informações, atualizam os conteúdos e propõem projetos. Existe também outra equipe pedagógica, cujo papel é refletir o tempo todo o aspecto pedagógico de cada software. São pessoas que questionam o potencial interativo de cada programa, discutindo a própria necessidade de criação de um software e até que ponto esse novo material é mais eficiente que o livro, a apostila ou o vídeo.

Obviamente, apesar das nossas conquistas, o SENAC sabe que está apenas dando os primeiros passos no área da Informática Educacional no ensino profissionalizante. Faltam ainda consideráveis avanços no setor de design, que irão não só ajudar a visualizar a hierarquização dos conhecimentos, como também uniformizar o desenho da informação e o desenho de cada projeto em si mesmo.

No SENAC, assim como em outras instituições que lidam com a Informática Educacional no momento, o trabalho e o diálogo multidisciplinar acontecem. Mas ainda estamos distantes de uma codificação do vocabulário técnico utilizado por todos os membros da equipe. Nosso objetivo é também chegar lá.